Curiosidades, Notícias, Dicas, Códigos

sexta-feira, 30 de setembro de 2011

On 10:58 AM by Fabrício in ,    No comments
Faz dez anos desde que o iPod foi criado. Devemos celebrá-lo? Ou será que o tocador de mp3 está nos tornando antissociais? Quem usa transporte público certamente reconhecerá a cena: ônibus ou vagões de metrô cheios de pessoas com fios saindo dos ouvidos. Nem as crianças escapam.

Houve um tempo em que jogadores de futebol jogando fora de casa se reuniam para jogar baralho, cantar ou conversar no ônibus. Hoje, muitos saem do veículo usando fones de ouvido. A viagem se tornou um desfrutar solitário de suas coleções pessoais de músicas ou filmes. Corredores, ciclistas, até nadadores treinam com fones de ouvido.

O "estéreo pessoal" está no mercado há três décadas. Mas o iPod - o tocador de mp3 mais vendido do mundo - expandiu os limites da tecnologia original de forma antes inimaginável. (Você se lembra dos bojudos e pesados Sony Walkman e Discman?) Desde que a Apple lançou seu primeiro iPod, em outubro de 2001, prometendo "mil músicas no seu bolso", a companhia já vendeu mais de 300 milhões desses aparelhos.

Em 2005, a mídia recebeu com surpresa a revelação de que o então presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, tinha um iPod. Hoje, isso não seria novidade. Por volta de 2007, mais de a metade de todos os moradores de cidades usavam um iPod ou tocador de mp3, disse à BBC o escritor Michael Bull, autor do livro Sound Moves: iPod culture and urban experience (Movimentos do som: cultura do iPod e experiência urbana, em tradução livre), um livro que analisa o impacto cultural dessa tecnologia sobre as sociedades urbanas.

Hoje, o iPod deixou de estar associado à cultura jovem e expandiu seu mercado para incluir crianças e seus avós. Pesquisas indicam que quando as pessoas passam a usar um tocador de mp3, ouvem música durante o dobro do tempo que ouviam antes, segundo Bull.
Para o editor do site Cultofmac.com, Leander Kahney, o iPod enriqueceu as vidas das pessoas, permitindo que escapem das aflições diárias.
"Tem sido uma grande benção para as pessoas a caminho do trabalho. Não existe nada como o iPod para levantar a moral", afirma. E apesar de tentativas de competidores como a Microsoft de lançar suas próprias versões, o produto da Apple não teve oposição significativa. Sua fatia do mercado não vai abaixo dos 70%.

Trilha sonora
O teuto-brasileiro Andreas Pavel, que inventou, na década de 1970, um aparelho que foi precursor do iPod de hoje, é tido como o pai espiritual da cultura do fone de ouvido. Seu objetivo, na época, era libertar a música gravada dos confins do estéreo doméstico. Mas quando ele experimentou pela primeira vez seu protótipo - "essa combinação mágica de fonte de som e fone de ouvido" - ele sentiu algo transcendental. "Foi como um sonho. É o prazer da música combinado à visão do seu ambiente. Você está colocando uma trilha sonora na sua vida e ela fica como um filme", disse Pavel à BBC.

Naquele tempo, muitos riram dele por querer andar por aí ouvindo música em fones de ouvido, lembra o inventor. E a Sony lhe disse que o protótipo era muito caro, nunca encontraria um mercado. Mais tarde, no entanto, a companhia lançou o Walkman. Em 2003, após 23 anos de negociações, os advogados da Sony chegaram a um acordo com Pavel. Fora do tribunal.

Problema de imagem
Onipresente, a cultura do fone de ouvido é com frequência associada a uma geração de jovens mimados, egoístas e desprovidos de valores cívicos. Em 2007, quando marinheiros britânicos foram aprisionados pelo governo do Irã, acusados de terem invadido suas águas, um deles admitiu ter "chorado como um bebê" quando os captores confiscaram seu iPod. O marinheiro envergonhou a nação - disseram os jornais britânicos. No mesmo ano, uma muçulmana britânica que atuava como jurada em um julgamento por homicídio foi excluída do tribunal por ter sido flagrada ouvindo música em um iPod escondido sob seu véu durante a audiência.

A grande preocupação em relação ao iPod é de que ele esteja tornando as pessoas antissociais. Não apenas por causa do som que vaza dos fones de ouvido, mas também pela barreira que o aparelho ergue entre seu usuário e as outras pessoas. Para a colunista do jornal britânico Daily Telegraph, Bryony Gordon, os jovens de hoje cresceram "plugados" e não sabem se relacionar com o ambiente que os cerca. "Eu não pararia uma pessoa usando aqueles fios brancos para perguntar o caminho", diz Gordon. Para ela, é como se eles carregassem uma placa dizendo: "estou fechado". As entrevistas de Bull com usuários de iPods confirmam essa percepção. Muitos disseram que se ressentem se pessoas os interrompem enquanto ouvem música.

Boas Maneiras
Torna-se necessário, então, estabelecer a "etiqueta" do iPod. Como devemos nos comportar quando estamos plugados? Por exemplo, deveria o usuário tirar os fones de ouvido ao falar com um vendedor dentro de uma loja? Será que ele deve tirar um fone e deixar o outro?
Ou manter os dois e abaixar o volume?
A consultora do tradicional guia de etiqueta britânica Debrett's, Liz Wyse, diz que os dois fones precisam ser retirados. "É humilhante para o vendedor de uma loja se você não pode sequer tirar os fones de ouvido", afirma. Porém, fazendo uma reflexão sobre os desafios da convivência em espaços públicos hoje em dia, Wyse defende o iPod como uma forma de se neutralizar um aborrecimento ainda maior: o telefone celular. "O iPod é brilhante em trens. Senão você é forçado a ouvir as conversas altas das pessoas no celular", exemplifica.

O psicólogo Oliver James diz que a relutância das pessoas em tirar os fones de ouvido mostra quão autocentrado e atomizado é o homem contemporâneo. "Será que vou sair da minha bolha? Até que ponto vou ceder à realidade externa?", questiona. A verdade é que o iPod se encaixa nos nossos desejos modernos, afirma Bull. "Pode ser solitário viajar em espaços públicos e a música traz um calor à experiência", pondera. O problema é que enquanto o indivíduo se sente aconchegado - e até mais seguro, apesar de incapaz de perceber a aproximação de um possível agressor - a esfera pública fica mais fria e menos acolhedora.

Sinal dos tempos
Bull argumenta, no entanto, que o iPod não provocou esse estado de coisas, apenas reflete uma tendência. "A presença de pessoas perto de você na rua não é reconhecida como uma forma de convívio social nos tempos de hoje", diz. "Vivenciamos a intimidade a partir das relações com as pessoas que amamos e estão perto de nós ou com aquelas que estão ausentes mas presentes em sites de bate-papo ou na mídia social", continua.

Defendendo sua criação, o inventor do precursor do Walkman, Andreas Pavel diz que nunca teve a intenção de isolar as pessoas do mundo exterior. Ele explica, inclusive, que sua patente incluía um microfone que, sem gravar sons, permitia que o usuário ouvisse o mundo à sua volta junto com a música. A patente também previa quatro entradas para fones de ouvido para que as pessoas pudessem ouvir música em grupos. As duas inovações não foram adotadas pela Sony.

quarta-feira, 28 de setembro de 2011

On 9:07 AM by Fabrício in , ,    No comments
/*
Grupo europeu conseguiu o material elaborado pela rede social sobre uma internauta, e o publicou. São quase 900 páginas de informações.

O Facebook sabe quem te cutucou. O Facebook sabe que máquinas você usa. O Facebook sabe para quais eventos você foi convidado. O Facebook sabe disso e muito mais.

A prova de que a rede social talvez saiba demais partiu de um grupo de usuários denominado “Europe X Facebook”. Graças a uma lei da União Europeia – que dá a cada cidadão o direito de solicitar a quaisquer sites as informações que eles possuem dele – eles descobriram o que, afinal, a empresa de Zuckerberg guarda sobre cada usuário.

A fim de exemplificar do que estavam falando, o grupo publicou um documento no qual a internauta L.B. – que não teve o nome verdadeiro revelado por motivos óbvios – teve todo o seu histórico no portal transcrito. São nada mais, nada menos, do que 880 páginas de informações das mais diversas, agregadas desde 2007, quando L.B. se cadastrou no Facebook.

O site da revista norte-americana Forbes investigou o arquivo e selecionou as partes mais curiosas – ou perturbadoras. Constatou que a L.B. foi cutucada mais de 50 vezes em quase quatro anos, sendo que "K.D." foi quem mais interagiu com ela dessa forma, principalmente em 2008. Soube quais computadores foram usados para conectar-se à rede, com que frequência e, ainda por cima, que outros internautas utilizaram a mesma máquina para entra no portal.

O Facebook sabe não só quem são seus amigos, como também tem conhecimento de quais contatos você não aceitou a amizade – e mesmo os que você excluiu posteriormente. Mais grave ainda é que, segundo o grupo, que diz ter recebido o alerta de alguns usuários, a rede social guarda as mensagens que você armazena, mas também possui aquelas que você apagou.

A maioria dos internautas sabe que os portais costumam guardar informações suas a partir de cookies – arquivos trocados entre o navegador e o servidor de páginas – deixados nas máquinas. Julian Assange, criador do WikiLeaks, já chamou o Facebook de uma “máquina de espionagem”. Para Richard Stallman, “smartphones são o sonho de Stalin”. A questão suscitada pelo documento é que, se antes os usuários desconfiavam do que as empresas guardavam sobre eles, agora eles podem ter uma noção exata do quanto eles estão entregando.


FONTE: idgnow.uol.com.br
*/

Se a pessoa não quer ter informações sobre ela guardadas na web, porque cria uma rede social? A internet é um lugar onde tudo é monitorado. Tudo é armazenado. Mesmo que você acredite que não.

Vai dizer que você não sabia que muitos sites, assim como facebook, usam um componente de reconhecimento facial, no qual seu rosto é identificado e armazenado???

Está na hora de começar a rever seus conceitos de rede social.
On 8:52 AM by Fabrício in ,    No comments
/*
Acha que passa muito tempo no Facebook? É porque não conhece os cingapurianos. De acordo com uma pesquisa feita pela empresa de análises de mercado Experian Hitwise, os moradores de lá ficam duas vezes mais tempo na rede social, em média, se compararmos com o tempo gasto pelos brasileiros.


Segundo a pesquisa, os cigapurianos passam 38 minutos e 46 segundos por sessão na rede social, seguidos da Nova Zelândia, com 30 minutos; Austrália, com 26 minutos; Reino Unido, com 25; e EUA, com 20 minutos.


Os brasileiros ficam, em média, 18 minutos e 19 segundos por sessão navegada no Facebook, que é relativamente pouco se comparado ao líder.


Mas o Brasil aparece em primeiro lugar em um outro ítem da pesquisa. De todos os acessos à internet aqui no Brasil, 18,9% são direcionados a redes sociais, seguido de Cingapura, com 16,4%, EUA, com 15,4% e Índia e Nova Zelândia, com 14% e 13,9% respectivamente.


"Em alguns aspectos, as redes sociais não têm limites em fazer do mundo um lugar menor. Saber o market share que as redes sociais têm em cada país e o nível de uso é a chave para o sucesso de atuação nestes ambientes", explica Ankur Shah, CEO e co-fundador da Techlightenment, empresa do grupo Experian.


"Entender quanto tempo é gasto pelas pessoas no Facebook, em diferentes países, é vital para qualquer marca atuando em redes sociais. Com o market share do Facebook tendo aumentado 88% na Índia na comparação anual e 16% no Brasil no mesmo período, sua influência e dominância tendem a crescer", explica Juliano Marcílio, presidente de Marketing da Experian na América Latina.

FONTE: olhardigital.uol.com.br
*/

terça-feira, 27 de setembro de 2011

On 8:36 AM by Fabrício in , ,    No comments
Um hacker australiano chamado Nik Cubrilovic afirmou que o Facebook é capaz de rastrear todos os passos de seus usuários na web, mesmo se fizerem o "log out" da rede social. De acordo com os testes dele, o Facebook não apaga os cookies de rastreamento após a saída do usuário. Assim, todas as vezes que o usuário visitar uma página com o botão ou o widget do Facebook, o navegador enviará informações aos servidores da rede social. Em uma entrevista para o site VentureBeat, Nik foi categórico em afirmar que "eles, definitivamente, armazenam essas informações. Mas só podemos especular o que farão com tudo isso".

Nik explica que chegou a essas conclusões ao analisar as informações que os navegadores enviam para o Facebook. Ele afirma, ainda, que qualquer desenvolvedor que tenha um browser com o kit de desenvolvimento conseguirá comprovar o que ele diz. Se a acusação for verdadeira, esta pode ser configurada como uma séria violação de privacidade.

O Facebook ainda não se pronunciou oficialmente a respeito do assunto. Mas, nos comentários da notícia, um usuário de nome Arturo Bejar afirmou trabalhar como engenheiro no Facebook. Ele explicou que esses cookies são usados apenas para prevenir spam, phishing e afins. "Não importa se você está logado ou não: não usamos nossos cookies para rastreamento, nem para direcionar anúncios ou vender informações para terceiros", completou.

Se você ficou "com a pulga atrás da orelha" e quer impedir que o Facebook siga todos os seus passos, é preciso apagar todos os cookies relacionados à rede social sempre que você fizer o "log out".

segunda-feira, 26 de setembro de 2011

On 10:27 AM by Fabrício in    No comments
O conceito do iTwin pode parecer estranho à primeira vista, mas tem lá suas vantagens. Imagine que você possui dois computadores, um Mac e o outro PC, sendo que usa um no trabalho e o outro como lazer, em casa. Por diversas vezes, precisou acessar arquivos grandes armazenados em qualquer um deles e teve de apelar para HD externos ou CDs para transferi-los.

É justamente esse o foco do iTwin, a troca livre e segura de arquivos entre computadores remotos um do outro. Para conectá-los, o iTwin se dividi em duas partes idênticas, que devem ser conectadas nas portas USB de cada um. Automaticamente o acessório instala um aplicativo que faz com que uma determinada pasta do sistema seja completamente compartilhada com o outro computador. E vice-versa. Para tanto, os dois computadores necessitam estar conectados na internet, por onde é realizada a troca de arquivos.

“Ora, mas por que não usar outras formas de armazenamento na nuvem, como o Drop Box?” Simples, com o iTwin não há limite de espaço para armazenamento. Tudo vai depender do tamanho do seu HD. Além disso, a troca de arquivos é completamente encriptada, ou seja, codificada de modo que somente os dois terminais consigam entender. Isso minimiza os riscos de perda ou desvio de informação.

Apesar das facilidades, o iTwin é foi duramente criticado nos EUA por ser, segundo os críticos, software disfarçado de hardware. E é inevitável pensar que só um pequeno aplicativo baixado da web poderia executar a mesma tarefa, mas o fabricante insiste na comodidade de apenas plugar o USB.

Custa cerca de US$ 99 nos EUA e funciona com o Windows 8 e Mac OS X Lion, da Apple.

sexta-feira, 23 de setembro de 2011

On 2:01 PM by Fabrício in , ,    No comments

Cansado de fazer páginas na web. Use páginas prontas com código aberto.
Site com ótimos templates em html gratuitos para download.

http://www.campaignmonitor.com/templates/
On 1:47 PM by Fabrício in ,    1 comment
Passei muito tempo procurando na internet uma maneira de corrigir esse erro. E vi como é dificil compartilharem documentos ensinando como corrrigir erros simples de Joomla.
Então aqui fica a dica de como consegui corrigir meu problema com uma simples mudança de código.

No arquivo Raiz/templates/nome do template/html/com_user/reset/confirm.php.


Linha 11


<div class="article-indent">
<form action="<?php echo JRoute::_( 'index.php?option=com_user&amp;task=confirmreset' ); ?>" method="post" class="josForm form-validate">
    <table cellpadding="0" cellspacing="0" border="0" width="100%" class="contentpane">
        <tr>
        <td colspan="2" height="40">
            <p><?php echo JText::_('RESET_PASSWORD_CONFIRM_DESCRIPTION'); ?></p>
        </td>
        </tr>
        <tr>
        <td height="40">
            <label for="token" class="hasTip" title="<?php echo JText::_('RESET_PASSWORD_TOKEN_TIP_TITLE'); ?>::<?php echo JText::_('RESET_PASSWORD_TOKEN_TIP_TEXT'); ?>"><?php echo JText::_('Token'); ?>:</label>
        </td>
        <td>
            <input id="token" name="token" type="text" class="required" size="36" />
        </td>
        </tr>
    </table>

    <button type="submit" class="validate png"><?php echo JText::_('Submit'); ?></button>
    <?php echo JHTML::_( 'form.token' ); ?>
    </form>
</div>



Essa classe inteira, article-indent deve ser substituída pela classe a seguir:
<div class="user">

    <h1 class="pagetitle">
        <?php echo JText::_('Confirm your Account'); ?>
    </h1>

    <p>
        <?php echo JText::_('RESET_PASSWORD_CONFIRM_DESCRIPTION'); ?>
    </p>

    <form action="<?php echo JRoute::_( 'index.php?option=com_user&task=confirmreset' ); ?>" method="post" class="josForm form-validate">
    <fieldset>
        <legend><?php echo JText::_('Confirm your Account'); ?></legend>

        <div>
            <label for="username" class="hasTip" title="<?php echo JText::_('RESET_PASSWORD_USERNAME_TIP_TITLE'); ?>::<?php echo JText::_('RESET_PASSWORD_USERNAME_TIP_TEXT'); ?>"><?php echo JText::_('User Name'); ?>:</label>
            <input id="username" name="username" type="text" class="required" size="36" />
        </div>

        <div>
            <label for="token" class="hasTip" title="<?php echo JText::_('RESET_PASSWORD_TOKEN_TIP_TITLE'); ?>::<?php echo JText::_('RESET_PASSWORD_TOKEN_TIP_TEXT'); ?>"><?php echo JText::_('Token'); ?>:</label>
            <input id="token" name="token" type="text" class="required" size="36" />
        </div>
        <div class="readon">
            <button type="submit" class="button"><?php echo JText::_('Submit'); ?></button>
        </div>

    </fieldset>
    <?php echo JHTML::_( 'form.token' ); ?>
    </form>
</div>
On 12:56 PM by Fabrício in ,    No comments
Nesse site existem vários artigos falando sobre pogramação em geral, SO's, CMS's, internet, marketing e muito mais.

Site em portugues de portugal, mas para bom entendedor...

http://www.webmaster.pt/
On 10:11 AM by Fabrício in , ,    No comments
Uma pesquisa da University of Alabama, e da Lock Haven University, ambas nos EUA, aponta que SMS e Facebook fazem com que as notas dos estudantes caiam. O mesmo não ocorre com o uso do e-mail, mesmo se acessado durante as horas de estudo.

Chamado de "A Decade of Distractions: How Multitasking Affects Students", o estudo tem como objetivo analisar a utilização de mídias sociais no contexto acadêmico. Nele, 52% dos entrevistados disseram que recebem e enviam SMSs e outros 34% usam o Facebook, ambos durante os estudos.

"Os estudantes usam o Facebook e as mensagens de texto para socializarem com os amigos, e recorrem ao e-mail para comunicarem-se com seus professores. Por isso, consideramos que as atividades sociais conduzirão a resultados menos positivos, e as atividades acadêmicas, a resultados mais positivos", diz Junco.

Outro fator que diminui os resultados positivos na escola é o "multitasking", ou seja, realizar diversas tarefas ao mesmo tempo.

FONTE: www.olhardigital.uol.com.br

quinta-feira, 22 de setembro de 2011

On 4:58 PM by Fabrício in ,    No comments


/*
Em uma atualização publicada no blog Building Windows 8 na terça-feira a Microsoft deu mais detalhes sobre o sistema de boot de seu novo sistema operacional. A empresa afirma que, assim como todos os recursos disponíveis na nova versão do software, o processo de iniciação foi remodelado para trazer uma experiência mais confortável a qualquer tipo de usuário.


Quem estava acostumado com o excesso de informações que surgiam na tela de inicialização do Windows 7 vai se surpreender com a simplicidade do novo sistema. Ao ligar a máquina, é exibido o logotipo da empresa fabricante e, após alguns poucos segundo é aberta uma tela com diversas opções.


Além de poder selecionar qual a versão do sistema operacional que deve ser iniciada, a nova tela de boot é capaz de realizar uma série de funções adicionais. Entre elas está a possibilidade de configurar o horário da máquina, definir um sistema operacional preferencial e até mesmo realizar o processo de limpeza de disco do HD utilizado.


A nova tela de boot também lista quaisquer dispositivos USB conectados ao computador, além de oferecer ferramentas que permitem desligar a máquina ou reiniciar o sistema operacional em modo de segurança. Outra novidade incluída no sistema operacional é o acesso rápido ao prompt de comando para usuários que possuem privilégios de administrador.


O novo sistema de inicialização tira proveito da interface Metro, permitindo que o usuário utilize os dedos para selecionar facilmente qualquer uma das funções disponíveis. Da mesma forma, a combinação entre mouse e teclado pode ser utilizada sem qualquer problema para aqueles que utilizam o sistema operacional em desktops com configuração tradicional.


FONTE:www.terra.com.br
*/

Depois da microsoft ter perdido mercado para o Linux com o Windows Vista, eles lançam  - na minha opinião, um ótimo sistema operacional chamado Windows 7(ou Seven). Gráficos, menus, inicialização, tudo impecável. Agora a microsoft promete lançar um grande produto, que tem por meta substituir de vez o windows XP.

Será que o Windows 8, com sua super inicialização e seus novos componentes irá conseguir desbancar o 7? Só nos resta esperar e ver o que irá acontecer.
On 10:24 AM by Fabrício in ,    No comments
Hoje precisei de um script para consulta de CEP. Na consulta ele deveria apresentar os seguinte itens automaticamente: Logradouro, Bairro, Cidade e Estado.

Depois de uma longa e exaustiva busca no google de 3 minutos encontrei um código que atendia essas necessidades. Esse código ajuda muito no trabalho, além de tornar o site mais dinâmico.


quarta-feira, 21 de setembro de 2011

On 10:22 AM by Fabrício in ,    No comments
Um script simples que certamente você irá precisar. Basta digitar o que deseja e ele irá filtrar para itens que contenham as letras inseridas.

Muito simples, porém, não sei se por ignorancia minha ou por erro deles, mas com o código que o site disponibiliza para download não consegui testar, só com  o código fonte da página.

De qualquer maneira, o script é muito legal e vale a pena ter em mãos.

DOWNLOAD


On 9:18 AM by Fabrício in    No comments
/*A “invasão” de produtos chineses no mercado brasileiro está causando um efeito de desindustrialização no país. É o que aponta um levantamento divulgado recentemente pela Comissão de Defesa da Indústria Brasileira (CDIB). O problema tem afetado empresas dos mais diversos ramos de atuação.

O problema principal é que os produtos chineses chegam ao Brasil com preços mais atraentes e, muitas vezes, com qualidade similar. Os custos menores com mão de obra e impostos da indústria chinesa favorecem o barateamento dos produtos, fazendo com que as empresas brasileiras não consigam competir. Este cenário piora de maneira considerável com a desvalorização do dólar.

Um exemplo desta criticidade toda vem da indústria de ímã de ferrite, componente utilizado, por exemplo, na fabricação de alto-falante: das três fabricantes brasileiras deste item, apenas uma está produzindo atualmente. “Quando se desativa uma indústria, independentemente do setor, perde-se toda a mão de obra técnica porque o setor morreu. Daqui a pouco não vai existir indústria para gerar empregos. A cada produto comprado da China, se exclui um emprego aqui [no Brasil] e se cria um na China”, comenta Manolo Canosa, membro fundador da CDIB.

Para José Augusto Castro, vice-presidente da Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB), a desindustrialização tende a continuar. “O governo deixou claro que a preocupação maior é manter a inflação baixa e não com o comércio exterior. As medidas de estímulo são bem-vindas, mas são insuficientes”, explica.


FONTE: www.infowester.com
*/

Você que compra produtos camelô está ajudando cada vez mais no desaparecimento das industrias no Brasil.

terça-feira, 20 de setembro de 2011

On 11:41 PM by Fabrício in ,    No comments
/*O HTML 5 veio a tona no inicio de 2010, mas estamos vendo os navegadores com cada vez mais aplicações sofisticadas e inteligentes de como podemos usar o HTML5 para nosso beneficio e como ele pode deixar nossa vida cada vez mais fácil. Enfim, uma coisa que podemos fazer, por exemplo, é mostrar nossa localização no Google Maps com um pouco de HTML5. Remy Sharp escreveu sobre isso, você pode ver o demo aqui.


SOBRE O CÓDIGO
A primeira linha de código é a chamada da biblioteca da API do Google Maps para Geolocalização. Esse código é compatível com os navegadores Opera, Firefox, Chrome e Safari e também no Safari Mobile.


Usando o Canvas do Google Maps nossos navegadores enviam nossa localização através da API e ela mostra no mapa. Ele irá encontrar com pouco erro mas funciona bem em 80% das vezes. Você terá que clicar em “Permitir” no Google Chrome para que sua localização seja compartilhada.


FONTE: www.frontendbrasil.com.br
*/

É uma tecnologia nova. Comigo não funcionou, mas chegou perto. Isso mostra o potencial do HTML 5 e o que está por vir.

Nos sites a seguir encontran-se o código para donwload e um link para uma página de teste.

DEMO   DOWNLOAD
On 10:33 PM by Fabrício in ,    No comments

A rede social de geolocalização Foursquare anunciou nesta terça-feira que atingiu a marca de 1 bilhão de check-ins. O número foi alcançado na semana passada, três meses após o serviço comemorar 10 milhões de usuários em todo o mundo.

O Foursquare divulgou um vídeo que mostra o números de check-ins em todo o mundo na semana passada, quando o número foi alcançado. Por luzes coloridas, o mapa mostra os locais em que os usuários fazem mais check-ins no serviço. Estados Unidos e Europa apresentam um número maior, mas o vídeo destaca a participação dos usuários de São Paulo na rede social.

O vídeo está disponível pelo atalho http://bit.ly/o2xUPZ .

segunda-feira, 19 de setembro de 2011

On 11:28 PM by Fabrício in ,    No comments

Inspirado na capacidade de absorção da água que o bambu tem, um designer resolveu criar um conceito de notebook que tem sua bateria carregada apenas com o hidrogênio da água e luz solar, o Plantbook.

A idea é de quase fazer uma fotossíntese em um notebook com o nome de Plantbook, já que o designer, na verdade uma dupla chamada Seunggl Baek e Hyerim Kim, resolveu criar um método em que água é absorvida por um tanque dentro da bateria e então lá dentro é gerada a eletrólise utilizando a energia acumulada no painel solar que existe na parte superior do conjunto.

Todo o processo da geração de energia acontece utilizando as dois átomos de hidrogênio que existem na água, liberando o oxigênio logo depois, da mesma forma que as plantas fazem para produzir alimento e gerar oxigênio.
saiba mais

Para carregar o notebook, basta deixar o tubo, que é a própria bateria, em um reservatório qualquer de água, como um copo, que todo o processo de geração de energia vai se realizando, de uma maneira extremamente ecológica, já que não há agressão nenhuma para a natureza. Além disso, enquanto carrega a bateria, ela vai eliminando o oxigênio não utilizado na geração da energia. Para avisar se você já pode utilizar a bateria novamente, há uma alça feita de silicone e com formato de uma planta com LEDs dentro. Quando ela estiver acesa, basta retirar da água e colocar no computador e usar.

A ideia é incrível e poderia ser utilizada em larga escala, a natureza agradece, e muito.

FONTE: http://www.techtudo.com.br/curiosidades/noticia/2011/07/conceito-de-notebook-usa-hidrogenio-da-agua-para-recarregar-bateria.html